Preview only show first 10 pages with watermark. For full document please download

Sonda Da Nasa Fotografa Cratera Feita Pelo Homem Em Cometa

Sonda da NASA fotografa cratera feita pelo homem em cometa

   EMBED

  • Rating

  • Date

    December 2018
  • Size

    32.4KB
  • Views

    5,201
  • Categories


Share

Transcript

Espaço Sonda da NASA fotografa cratera feita pelo homem em cometa Redação do Site Inovação Tecnológica - 16/02/2011 Este par de imagens mostra a comparação entre a mesma área do cometa Tempel 1, antes e depois de ele ser atingido pelo projétil da sonda Impacto Profundo.[Imagem: NASA/JPL-Caltech/Maryland/Cornell] Sonda excêntrica A NASA finalmente liberou as imagens feitas pela sonda espacial StarDust do cometa Tempel 1. Um problema de software da sonda estragou a festa preparada para uma divulgação cinematográfica do evento, forçando o adiamento da coletiva de imprensa que a agência espacial prepara para essas ocasiões. As imagens deveriam ter sido transmitidas de volta à Terra seguindo sua "ordem de impacto" - as mais próximas e de maior resolução primeiro. Mas a velha e boa StarDust se recusou a obedecer e transmitiu as imagens pacientemente - cada foto leva 15 minutos para ser baixada - na exata ordem em que elas foram tiradas. Cratera feita pelo homem A espera, contudo, valeu a pena. Os cientistas conseguiram identificar a cratera criada no cometa por outra sonda, a Impacto Profundo, em 2005. A StarDust capturou 72 imagens do Tempel 1, sendo 54 imagens científicas de alta resolução - bem superior à versão mostrada acima. As imagens também mostraram mais alterações no cometa do que se esperava encontrar desde que ele foi fotografado em 2005 - ele mal completou uma órbita ao redor do Sol desde então. Por exemplo, um conjunto de três crateras mesclou-se e transformou-se em um buraco único. As bordas de áreas maiores também mostram encolhimento ou modificações. Todas as conclusões sobre as novas observações levarão algum tempo, e a expectativa é que os artigos científicos descrevendo as descobertas demorem alguns meses para serem publicados.